domingo, fevereiro 27, 2005

ENTRA GOVERNO, SAI GOVERNO... E OS BANCOS CONTINUAM NO COMANDO DA POLÍTICA MONETÁRIA BRASILEIRA. Qual governo quer perder esse dinheirinho do CPMF?



LUCROS - Juros de bancos brasileiros bate recorde.
O retorno obtido pelas instituições financeiras no país supera o das americanas; juro alto contribui para resultado, dizem analistas

- Todo mundo sabe que os juros exorbitantes no Brasil está empobrecendo as pequenas e médias empresas, assim como a grande maioria da população. Mas olha que justificativa " plausível" dos donos do dinheiro.


Desempenho em alta

Roberto Luis Troster, economista-chefe da Febraban (Federação Brasileira dos Bancos), avalia que o cenário macroeconômico foi importante para o resultado do setor bancário no ano passado. "A economia cresceu, aumentou a demanda por empréstimos e houve queda na inadimplência. O conjunto desses fatores ajuda a explicar os resultados."O crescimento do lucro dos grandes bancos no ano passado chama a atenção.O Itaú apresentou o maior lucro da história do setor bancário do país (de R$ 3,776 bilhões).O Bradesco divulgou um espantoso crescimento de 32,7% em seu lucro de 2003 para 2004, chegando aos R$ 3,06 bilhões.Um importante destaque nos resultados do setor foi o aumento na receita de serviços bancários. O resultado obtido nesse segmento subiu de R$ 20,54 bilhões em 2003 para R$ 23,35 bilhões em 2004 (considerando os cinco maiores bancos). A melhora nesses números também é reflexo do aumento da chamada "bancarização", que é a utilização do sistema bancário pela população.

Mais empréstimos
O aquecimento econômico turbinou as operações de crédito, especialmente nos segmentos de pequenas e microempresas e pessoas físicas. "A soma de demanda maior por empréstimos com juros elevados e crescentes deu grande impulso aos resultados do setor", diz Catarina Pedrosa, do Banif Investment Banking.Dados da ABM Consulting mostram que as operações de crédito cresceram de R$ 45,91 bilhões para R$ 49,28 bilhões em 2004.Houve também uma melhora na eficiência dos bancos, como ilustra a queda no custo com despesas de pessoal, que recuou de R$ 19,13 bilhões para R$ 18,76 bilhões."O Bradesco foi o que melhor apresentou um enxugamento de seus custos", diz Pedrosa. A relação entre despesas administrativas e ativos médios do banco recuou de 3,1% em 2003 para 2,8% no ano passado.

Fonte Uol - Fabricio Vieirada

Agora a desculpa de tanta rentabilidade é: a "cobrança pelos serviços".
Obtêm rendimentos emprestando nosso dinheiro, cobram o CPMF para o governo, e nós ainda pagamos pelos serviços.

Site Meter