quarta-feira, abril 06, 2005

VIDA DE BORBOLETA...


Borboletas como a Aglais urticae tiveram transmissores colocados nas costas

Borboletas seguem planos em seus vôos, dizem cientistas
As borboletas não têm um padrão de vôo aleatório nos jardins, mas seguem rotas pré-determinadas, de acordo com cientistas britânicos.
Uma equipe de pesquisadores fez esta descoberta ao acompanhar o movimento de insetos em um radar, usando pequenos transmissores presos às costas de borboletas, que também forneceram informações sobre velocidade e pousos.
Os detalhes da pesquisa foram divulgados na publicação Proceedings of the Royal Society B.
A pesquisa foi feita com borboletas conhecidas como "pavão" (Inachis io) e pequenas "cascos de tartaruga" (Aglais urticae) e os transmissores usados pesavam apenas 12 miligramas.
Depois de constatar que os transmissores não afetavam o comportamento das borboletas, a equipe soltou 33 insetos em um descampado com uma área de 500x400 metros quadrados coberta por radar.
Isso permitiu que as borboletas fossem acompanhadas individualmente por até 1 quilômetro. A trajetória de 30 dos insetos foi acompanhada com sucesso.
Planos de vôo
Os resultados da experiência revelaram que essas borboletas tinham dois tipos diferentes de planos de vôo: movimento rápido e em linha reta, e não-linear e mais lento.
Durante o vôo em linha reta, as borboletas se deslocavam a uma velocidade de cerca de 2,9 metros por segundo. Durante o tipo de vôo mais lento, os insetos buscavam néctar de flores e voavam dando voltas no ar com uma velocidade média de 1,6 metros por segundo.
Esse tipo de vôo em que a borboleta dá voltas no ar parece ter uma função de orientação, ajudando os insetos a identificarem as flores e pontos de hibernação.
As borboletas puderam identificar e evitar habitats inadequados tais como árvores densas a uma distância de até 200 metros.
"Descobrir como as borboletas escolhem onde vão e como usam o ambiente e se alimentam vai se mostrar muito útil para os conservacionistas", disse Juliet Osborne, do grupo de pesquisa Rothamsted, em Harpenden, na Grã-Bretanha.
"Se nós conseguirmos financiamento, gostaríamos de fazer um estudo muito mais amplo sobre borboletas por vários anos. Isto nos daria informações sobre como voam diferentes espécies e como elas afetam ambientes diferentes."
"Se aconselhamos agricultores sobre se devem cultivar cercas vivas e que tipos de colheitas devem ter para aumentar a biodiversidade, quanto mais conhecermos sobre diferentes espécies, melhor."
No passado já se usou radar para estudar os movimentos de abelhas.

Fonte: BBC Brasil.com
Posted by Hello